Olimpíadas do Kart: Brasil terminou em quarto.

Olimpíadas do Kart: Brasil terminou em quarto.

Seleção brasileira obteve alguns bons resultados individuais
Terminou no último final de semana (14/11) o Rotax Max Challenge Grand Finals, popularmente conhecido como as Olimpíadas do Kart, que foi disputado em Portugal, reunindo 360 pilotos de 52 países. E o Brasil teve uma boa participação, terminando em quarto na Copa das Nações, com a sua seleção composta por 11 brasileiros: Caio Collet, 3º colocado e Thiago Lopez Oliveira, 38º colocado, na 125 Junior Max; Rubens Barrichello, 4º colocado e Nelson Stanisci, 69º colocado na Max DD2; Renato Russo, 4º colocado, Fernando Guzzi, 5º colocado, Leonardo Nienkotter, 42º colocado e Roberto Azana, 68º colocado na Max DD2 Masters; João Rosate, 30º colocado, Luca Travaglini, 46º colocado e Lucas Souza, 69º colocado na 125 Max.

“Eu acho que a nossa seleção foi relativamente bem. Poderíamos ter ido melhor se alguns pilotos não sofressem com o acerto do equipamento em momentos importantes, ou mesmo com os toques, quando a pista tinha até 34 pilotos juntos brigando para passar para as finais”, comentou Thiago Lopez Oliveira (Guaraná Dolly/Academia B9/Reex/Box100), mascote da Seleção brasileira. “Mesmo assim ficamos em quarto entre 52 países e eu particularmente comemorei muito o quarto lugar do Renato Russo na Max DD2 Masters, que é meu chefe de equipe e coach no Brasil”, completou o garoto selecionado depois de ser campeão do Festival Brasileiro Rotax 2015 na categoria 125 Junior Max.

O brasileirinho de apenas 13 anos de idade destacou a experiência adquirida com as disputas do Rotax Max Challenge Grand Finals no circuito de Portimão, em Algarve. “A maior importância de ter participado do Mundial foi que fazia quatro anos que eu não corria fora do Brasil, então ganhei bastante experiência e sei que vou vir mais forte nas próximas corridas. E também significou que eu posso ser melhor do que eu imagino”, destacou Thiaguinho, que estabeleceu o 15º tempo para a largada em seu grupo composto por 36 pilotos, metade do grid da 125 Junior Max.

“A minha maior dificuldade foi a tomada de tempo. O que representou para mim o meu resultado final – 38º lugar – foi que a tomada de tempos é uma das coisas fundamentais para um bom resultado. Se eu tivesse feito uma boa tomada meu resultado poderia ser bem melhor. Mas estou feliz pela experiência que ganhei”, encerrou o pilotinho, que representou o Brasil apoiado por Guaraná Dolly/Academia B9/Reex/Box100.

Confira o resultado final de cada um dos brasileiros:
Caio Collet (125 Junior Max), 3º colocado;
Thiago Lopez Oliveira (125 Junior Max), 38º colocado;
Rubens Barrichello (Max DD2), 4º colocado,
Nelson Stanisci (Max DD2), 69º colocado;
Renato Russo (Max DD2 Masters), 4º colocado;
Fernando Guzzi (Max DD2 Masters), 5º colocado;
Leonardo Nienkotter (Max DD2 Masters), 42º colocado;
Roberto Azana (Max DD2 Masters, 68º colocado;
João Rosate (125 Max), 30º colocado;
Luca Travaglini (125 Max), 46º colocado;
Lucas Souza (125 Max), 69º colocado.

Classificação do Rotax Max Challenge Grand Finals:
1) Estados Unidos, 1.184 pontos;
2) África do Sul, 1.103;
3) Holanda, 1.103;
4) Brasil, 1.005;
5) Austrália, 985;
6) Alemanha, 982;
7) Nova Zelândia, 919;
8) França, 903;
9) Finlândia, 838;
10) Hungria, 833.